Falta de aceitação dos pais atrasa o desenvolvimento de filhos especiais

18/06/2016 Histórias de vida, Notícias 0
0 Flares 0 Flares ×

O primeiro passo para iniciar o tratamento de um filho com deficiência é a aceitação dos pais. Só que o preconceito, algumas vezes, fala mais alto e acaba atrasando o desenvolvimento daqueles que precisam de uma atenção especial. A diretora da Apae de Araranguá, Clarinda de Vila, explica que, por falta de conhecimento, algumas pessoas têm uma ideia errada sobre o serviço realizado na instituição.

“As pessoas se preocupam em como vai ser a aceitação da sociedade com o filho deficiente e acabam tardando a entrada na Apae. Mas a gente percebe que aos poucos, se informando e conhecendo a importância do trabalho, o preconceito vai diminuindo”, informa a diretora.

A aceitação não acontece de um dia para o outro. De acordo com a psicóloga Jamily Trento, o processo inicia quando os pais descobrem que o filho é deficiente. “A primeira reação é a de choque, em seguida vem o próprio luto pela “perda” de um filho saudável, depois os pais começam a se sentir culpados, e, por último, a família precisa se reorganizar para aceitar a deficiência”, explica. Conforme Jamily, é fundamental que os pais que tenham dificuldade para aceitar as deficiências dos filhos procurem ajuda profissional.

Assumir que o filho precisa de ajuda é mais que responsabilidade dos pais, é um ato de amor. Um ato que, segundo a psicóloga, pode fazer grande diferença no desenvolvimento dessas pessoas. “A partir do momento em que a família realmente aceita a deficiência do filho, o trabalho é mais eficaz e os resultados mais positivos”, acrescenta.

Pais precisam reconhecer que filhos precisam de ajuda

A dona Jovita da Silva tem um filho deficiente de 33 anos. Ele nasceu com deficiência intelectual severa, mas hoje já consegue se comunicar melhor, expressar suas necessidades e até andar. Só que, conforme a dona de casa, isso só foi possível porque lá no início de vida do garoto ela reconheceu que o filho precisava de ajuda e procurou pela Apae.

“Os profissionais da Apae foram fundamentais no tratamento do meu filho. Se ele não tivesse recebido o acompanhamento da instituição desde cedo, certamente não teria se desenvolvido tão bem e, talvez, hoje não conseguisse nem ficar em pé”, relata.
Esta aceitação também foi a receita para que o filho da Andreza de Souza de dois anos conseguisse ter uma vida normal. O rapaz nasceu prematuro e, por causa disso, acabou tendo um atraso no desenvolvimento físico e intelectual. Realidade que já está sendo revertida com um acompanhamento profissional.

“No início, a gente tem aquele preconceito, mas depois que conhece a eficiência dos serviços realizados na instituição, percebe que é fundamental para que nossos filhos possam viver bem”, completa.

* Matéria do Portal Satc (Acesse aqui)

Receba um e-mail com atualizações!

Assine e receba, gratuitamente, nossas atualizações por e-mail.

Eu concordo em informar meu e-mail para MailChimp ( more information )

Nós jamais forneceremos seu e-mail a ninguém. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

Compartilhe:

Sem nenhum comentário

Deixe o seu comentário!