O Autismo e o Tempo

29/07/2017 Autismo, Deficiência Mental, Notícias 0
0 Flares 0 Flares ×

Segundo o dicionário, TEMPO “é a duração relativa das coisas que cria no ser humano a ideia de presente, passado e futuro”. Dizem que o TEMPO é o melhor remédio. Será?

Realmente, o tempo é relativo. Quando pensamos no autismo, ele é ainda mais variável.

A família quando percebe que seu bebê tem um atraso no desenvolvimento social, motor ou da fala, pode ouvir do pediatra: “Cada criança tem seu TEMPO”. E o TEMPO em que esse bebê poderia estar sendo estimulado para o desenvolvimento dessas habilidades vai passando.

Os pais decidem então procurar um médico especializado, geralmente um neurologista ou psiquiatra infantil. O TEMPO para essa consulta acontecer pode demorar meses.

Na avaliação clínica, o médico levanta a hipótese de Transtorno do Espectro Autista e pede que seja levado a profissionais como fonoaudiólogo e terapeuta ocupacional para ser estimulado em suas dificuldades.

O TEMPO passa devagar e o diagnóstico sai: autismo. E agora?

Se esse diagnóstico for tardio e a criança não estiver sendo acompanhada pelo serviço de apoio adequado, TEMPO perdido. Já se o diagnóstico for até os três anos, há TEMPO para “investir” porque a plasticidade neural é maior até os 7 anos de idade (plasticidade neural, ou cerebral, é uma capacidade adaptativa do Sistema Nervoso Central que se refere à habilidade para modificar a organização estrutural e funcional em resposta a estímulos ambientais).

Como inserir na rotina diária dos pais o TEMPO necessário para levar seu filho às terapias? Há de se arranjar. As 24 horas do dia parecem poucas, correm rápido demais.

O TEMPO que se espera por cada degrau alcançado nesse desenvolvimento parece passar devagar. A ansiedade marca presença constante na família.

Agora para a maioria dos autistas, o TEMPO de espera também pode parecer infinito. Espera em fila, espera na terapia, espera na parada do ônibus, espera no engarrafamento… Esse TEMPO de espera pode desorganizá-lo e gerar uma crise. Mas, isso já é assunto para outro post.

Sugestões de temas, enviar para: fernandacavalieri@gmail.com
Conheça a Associação Fortaleza Azul – FAZ: facebook.com/fazbrasilinstagram.com/fortalezaazul

Compartilhe:

Sem nenhum comentário

Deixe o seu comentário!