Jovem vestindo roupa de couro cantando, ao centro da imagem. Ao lado e em volta dele, dois outros jovens e dois adultos. Por trás de um deles, uma luz amarela.

Autistas do DF formam banda de rock

04/12/2018 Deficiência Intelectual, Destaques, Notícias 0
0 Flares 0 Flares ×
Jovem com uma camiseta preta canta ao microfone, no centro da imagem. Atrás dele, um homem barbado. Do lado direito, dois jovens o observam e cantam junto.

Jovens quebram paradigmas e combatem preconceitos, mostrando que podem produzir música de qualidade

Sete jovens com autismo formam uma banda de rock em Brasília. A Timeout (“Tempo fora”, em tradução livre) interpreta músicas autorais e clássicos do rock: Pink Floyd, Legião Urbana, Oasis, Mamonas Assassinas, AC/DC, Capital Inicial e daí por diante.

Mais do que isso, Ivan Madeira, João Daniel Simões, João Gabriel Mello, João Henrique Lopes, Marcelo Bacelar, Matheus Winker e Thiago Carneiro, que têm entre 13 e 22 anos, rompem paradigmas em cima do palco.

A cada apresentação em eventos e pubs do Distrito Federal, os garotos cantam para o mundo que são capazes, sim, de produzir música de qualidade, pedindo passagem para aqueles que subestimam suas potencialidades.

“Usualmente, pessoas com autismo são subestimadas, infantilizadas e colocadas em um lugar de exclusão, diferenciadas das pessoas consideradas ‘normais’. Acreditamos que a banda é uma verdadeira transgressão social nesse sentido”, afirma o psicólogo Paolo Rietveld, o idealizador da Timeout, em conversa com o Razões para Acreditar.

A banda foi criada em setembro de 2017, dentro do Instituto Ninar. Paolo é voluntário da entidade que oferece atendimento para pessoas com autismo. Ele percebeu que os meninos tinham habilidades musicais e foi assim que nasceu a Timeout.

O nome significa um “tempo fora” de todos os termos e técnicas da terapia tradicional. Aquele momento em que os meninos se preocupam apenas em se divertir. Desde que começaram a rolar os ensaios e as apresentações, Paolo percebeu mudanças no comportamento dos garotos e de seus pais.

“Vemos a autoestima deles crescer a cada dia, nascer um objetivo de vida e a sensação de terem achado um lugar no mundo. João Henrique, nosso baterista, diz que foi a oportunidade que teve para se sentir realizado fazendo o que gosta. Os pais estão cada dia mais engajados e participativos”, destaca.

A última grande apresentação da Timeout foi no maior evento de motos da América Latina: o Brasília Capital Moto Week, no dia 22 de julho. A princípio, Paolo estava um pouco receoso, pois haveria muitas pessoas no local, mas a Timeout arrasou – a reação do público não poderia ter sido melhor.

“Cantaram juntos, curtiram e no final choraram. A energia que eles passam é surreal! Fazemos tudo para apresentar a música com a maior qualidade possível, mas fazemos questão de manter a essência com e o jeito de ser dos meninos”, lembra o psicólogo.

“Ela é perfeita do jeito deles, mas temos certeza que a qualidade surpreende as pessoas que esperam uma banda formada por pessoas com autismo. Nós mesmos nos surpreendemos a cada dia que passa”, acrescenta.

Rietveld faz questão de frisar que a Timeout é um projeto voluntário. Tudo o que a banda ganha e os pais dos garotos investem são para a própria banda. Os ensaios acontecem aos sábados, e atualmente a Timeout está trabalhando na gravação de músicas autorais. Por enquanto, a banda não tem shows marcados, mas está aberta a convites, principalmente de eventos e festivais que carregam a pecha de ‘normais’.

* Matéria Redação RPA, Razões para acreditar (clique aqui)
** Legenda da foto principal: Sete jovens com autismo formam a banda de rock e cantam Pink Floyd, Legião Urbana, Oasis, AC/DC, dentre outras.

Compartilhe:

Sem nenhum comentário

Deixe o seu comentário!