Dois homens, aparentemente nus, se beijam na boca.

Ator com Paralisia Cerebral quer mudar forma de falar de deficiências

07/05/2019 Deficiência Intelectual, Destaques, Notícias 0
0 Flares 0 Flares ×
Foto de um rapaz de jaqueta vermelha e blusa azul, fone de ouvido branco e várias plantas e flores ao fundo.

Série fala de um jovem gay com paralisia cerebral, abordando primeiro emprego, namoro, sexo e morando sozinho, longe de sua mãe.

O ator e roteirista Ryan O’Connell, que tem paralisia cerebral, quer mudar a maneira como falamos sobre deficiências. Ele espera fazer isso com “Special”, sua nova comédia que acaba de estrear na Netflix.

“Quando as pessoas me vêem em público, elas acham que eu tenho capacidade cognitiva limitada, acham que não posso fazer certas coisas”, diz O’Connell, 32, em entrevista para o NYPost, que escreveu para” Will & Grace “e” Awkward “, da MTV.

“Uma vez eu estava caminhando para uma mesa a seis metros de distância, e alguém dizia ‘Você precisa de ajuda?’. Eu penso: ‘Você está brincando comigo?’. Eu sei que a intenção é boa, mas ainda assim é ofensivo. Sinto que há ignorância em torno da deficiência, então as pessoas infantilizam você. Espero que com ‘Special’, as pessoas comecem a ver as pessoas com deficiência como seres humanos fortes e multifacetados. Nós todos somos”, explica O’Connell.

O’Connell criou e é a estrela de “Special”, produzido pelo astro de “The Big Bang Theory”, Jim Parsons. A série é sobre um jovem gay com paralisia cerebral (O’Connell) em seu primeiro emprego, quando ele se aventura a namorar, fazer sexo e se muda para seu primeiro apartamento sozinho longe de sua mãe, e descobre sobre a amizade com Carey (Augustus Prew) e Kim (Punam Patel).

Há algo discretamente revolucionário sobre “Special”, uma história sobre um homem gay com paralisia cerebral, interpretada também por um homem gay com paralisia cerebral.

“Pra mim, pessoalmente, ser gay nunca foi um grande problema. A questão sempre foi minha deficiência”, diz O’Connell. “De certa forma, eu sinto como se tivéssemos chegado mais longe nos direitos dos homossexuais em nosso país do que com os direitos das pessoas com deficiência. Acho que ainda há um enorme nível de desconforto em torno da deficiência. Eu não acho que as pessoas saibam como tratar pessoas com deficiência. Eu acho que elas estão nervosas. Eu acho que não é por malícia. Eu acho que é principalmente por ignorância. “

Os episódios da série têm apenas 15 a 20 minutos de duração e, embora sejam fictícios, muitos cenários são extraídos da própria vida de O’Connell. Ele revelou que a parte mais difícil de fazer o show foi escrever sozinho, já que não havia orçamento para uma sala com mais escritores. “Para fazer isso sozinho eu tive que me isolar, tipo, como Jack Nicholson em o “Iluminado”, diz O’Connell.

“Quando eu soube que tinha que escrever tudo, atuar, produzir e fazer todas as etapas, fiquei com medo, não vou mentir. É gratificante sendo uma pessoa com deficiência subestimada toda a vida, desafiar a si mesmo ao sentir medo de alguma coisa, pra realmente correr atrás.”

Na entrevista ao NY Post ele relata que está sendo foi difícil manter o interesse após o lançamento inicial da série.

“Hollywood ainda é um lugar que depende de fórmulas muito experimentadas e verdadeiras, como você pode dizer literalmente tudo sendo reinicializado. Digo isso como alguém que foi contratado por reinicializações ”, acrescenta ele, referindo-se ao seu trabalho como editor executivo dos roteiros de “ Will & Grace ”.

“Hollywood é tão entusiasmada com diversidade agora e representação”, diz ele. “Mas ainda é difícil empurrar algo que as pessoas nunca viram antes. Então isso tornou muito mais difícil ”.

Eventualmente ele ficou interessado em Parsons para ser o produtor da série, em parte porque seu marido, Todd Spiewak, comentou em um artigo que O’Connell escreveu no blog chamado Thought Catalog sobre ter CP (paralisia cerebral).

“Jim estava apenas começando a sua produtora”, diz O’Connell. “Eu tinha alguns estúdios interessados ??na minha história, mas eu realmente me conectei com Jim e Todd. Eles eram tão doces e calorosos e entendiam exatamente o que eu estava procurando. Eu sabia que eles protegiam minha visão. Jim é um sonho, ele é tão realista, ele é tão favorável, ele entende. Deixe-me dizer-lhe, para uma celebridade como ele, isso é raro!”

“O formato que fiz para a TV é convencional, embora o tema não seja. Me dá vergonha pensar que falar disso seja algo inovador em 2019. Já deveria ser normal há muito tempo”, concluiu O’Connell rindo e ainda disse: “Mas antes tarde do que nunca, querida!”.

* Matéria de Cláudia Salgado, do site Põe na Roda (clique aqui)

Receba um e-mail com atualizações!

Assine e receba, gratuitamente, nossas atualizações por e-mail.

Eu concordo em informar meu e-mail para MailChimp ( more information )

Nós jamais forneceremos seu e-mail a ninguém. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

Compartilhe:

Sem nenhum comentário

Deixe o seu comentário!